Contactos

Edai Brasil- Empreendimento, Design Gráfico, Arquitetura e Imagem

  • Pessoa de contato: carlos sousa
  • Telefone: +55 (61) 3257-92-68, FAX/FONE
  • +55 (61) 8638-52-03, OI
  • +55 (61) 8178-92-68, TIM
  • MSN: edaibrasil@hotmail.com.br
  • Skype: edaibrasil
  • Endereço postal: qng 36 lote 20 casa 03, Brasília, Distrito Federal, 72130-360, Brasil

Horário de funcionamento

Renovações do site

EDAI Brasil empreendimentos

11/07/12

Cartão de visita, definição, uso e curiosidades

Autor: Iguatimozy Geraldo Dias Junior

O cartão de visita é um corte de papel retangular de 9x5cm impresso, podendo ter variação de 25% para mais ou menos, de acordo com o desejo e gosto do seu chanceler, não obstante, ser normatizado pela ABNT em 9x5cm.

Objetiva passar informações do seu titular, tais como:
atividade profissional ou especial
código de endereçamento postal
numero de telefone
email
site
título honorífico
número de ordem ou conselho á que pertence o signatário do cartão.
Para garantir manuseio adequado, durabilidade, apresentação e modo de arquivamento, é sempre confeccionado, em papel couche de 300g por m2, não respeitada essa especificação, perde em apresentação, podendo ser classificado como "papelzinho com anotações".

O cartão de visita, da maneira como ele é criado passa, inevitavelmente, mensagem subliminar sobre seu dono. Por isso, sempre recai sobre ele – o cartão – um grau de exigência na concepção bastante acentuado.
No império da tipografia, quando os meios de impressão eram ainda, muito rudimentares, o diferencial do cartão se fazia, de modo geral, apoiado na qualidade dos papeis artesanais, tais como:
papel de madeira
papel linho
papel pele de ovo
papeis craquelados e etc.

Mas, com o advento da computação gráfica, quando a textura já pode ser, reproduzida na impressão, pouco se fala, nestas exigências anteriores.
No início da segunda metade do século XX, o cartão de visita era utilizado com muita parcimônia, e quem oferecia um cartão a outrem, o fazia, quebrando o canto superior para demonstrar ao agraciado que essa cortesia era muito especial, é, bem verdade, que não sabe-se bem, o que se pretendia, era impedir o repasse desse cartão.

Outro hábito muito comum na utilização do cartão, era de que: sempre que alguém oferecia um cartão, e queria demonstrar proximidade ou alargar uma certa intimidade com o interloucutor, o fazia, rasurando com caneta, as designações pomposas, á saber: suponha-se que, o cartão de um certo Doutor Francisco de Assis Camargo – rasurar-se-ia, Doutor, e ainda, Assis Camargo sugerindo, no caso, que, o Doutor Francisco de Assis Camargo, poderia ser tratado, simplesmente, por Francisco.

Na ultima quadra do século XX, o uso do cartão era, sobremaneira, elitizado, dai as gráficas, os vendiam, em tiragens de 200 exemplares, e, eram embalados, em caixinhas plásticas, também isso hoje, é costume pretérito. O uso do cartão expandiu-se de tal maneira, que hoje 1000 cartões é tiragem adequada, para os tempos modernos, e não se concebe qualquer cidadão, não portar ou identificar-se por meio de cartões de visita. É um habito tão consolidado, que apenas presidentes, cabeças coroadas e forbesianas podem dispensar o uso de cartão. No mundo corporativo, a coisa vai ainda mais longe, não se tem notícia de empresa, de qualquer porte que dispensa o uso do cartão, que neste caso, passa chamar-se, então cartão comercial.
/marketing-pessoal-artigos/cartao-de-visita-definicao-uso-e-curiosidades-5987747.html
Perfil do Autor
Editor, Design Gráfico,Web Design e Gestor da CMYK25 . Industria gráfica corporativa especializada na impressão de Cartões de Visita, Folhinhas Comerciais Personalizada e Calendários de Mesa.

Fonte: Autor: Iguatimozy Geraldo Dias Junior